14 de dezembro de 2021

Conheça o Programa Cisternas da CINVALES em parceria com o Ministério da Cidadania

Cisternas para agricultra Xacriabá

Programa Cisternas – água para beber e para a agricultura

O CIMVALES possui como principal objetivo a execução de políticas públicas que visem o desenvolvimento econômico e social nos municípios que compõe o Território, sobretudo políticas de convivência com a Seca e acesso a água para produção de alimentos junto aos agricultores e agricultoras de baixa renda, pretendemos dessa forma, promover a participação dos diferentes segmentos da sociedade nas ações conjuntas de desenvolvimento integrado da região, com a melhoria da qualidade de vida das comunidades rurais, em especial as mulheres e jovens da zona rural, visando o fortalecimento da agricultura Familiar e das cadeias produtivas, sempre integradas a programas de assistência técnica e extensão rural. O Consórcio CIMVALES executa desde 2013 o Programa Cisternas (MDS) onde já atendeu mais 3.000 famílias objetivando a implementação de Tecnologias sociais de captação de água da chuva para a produção de alimentos, no fim do Convênio serão atendidas mais de 3.500 famílias da agricultura familiar.

  • O que é?

    Água para Produção (Segunda Água): Implantação de tecnologias sociais de captação de água da chuva com a finalidade de apoiar a produção agrícola e a criação de pequenos animais.

    No autoconsumo a alimentação fica mais diversificada e com maior qualidade nutricional e a comercialização de excedentes gera renda para as famílias. Além da tecnologia implementada, a família recebe um conjunto de materiais para produção (como sementes, mudas, carro de mão) e capacitação.

  • Para quem?

    O potencial beneficiário da ação de água para produção (Segunda Água) deve ter acesso a alguma tecnologia de Primeira Água.

  • Principais tipos de tecnologia

    ➢ Cisternas Calçadão e de Enxurrada: Captação de água de chuva por meio de um calçadão de cimento e tem capacidade para 52 mil litros. Por meio de canos, a chuva que cai no calçadão escoa para a cisterna, construída na parte mais baixa do terreno e próxima à área de produção. É usado também para secagem de alguns grãos como feijão e milho, raspa de mandioca, entre outros. No caso da cisterna de enxurradas, a diferença é na forma de captação da água da chuva, que se dá por meio do leito de enxurradas, que escorre para um decantador e, após uma filtragem, escorre para o reservatório de 52 mil litros.

    ➢ Barragem Subterrânea: Construída em áreas de baixios, córregos e riachos que se formam no inverno. Construção em uma vala até a camada impermeável do solo, a rocha. Essa vala é forrada por uma lona de plástico e depois fechada novamente. Desta forma, cria-se uma barreira que “segura” a água da chuva que escorre por baixo da terra, deixando a área encharcada.

    ➢ Tanques de pedra: São fendas largas, barrocas ou buracos naturais, normalmente de granito, construídas em áreas de serra ou onde existem lajedos, que funcionam como área de captação da água de chuva. Para aumentar a capacidade, são erguidas paredes de alvenaria, na parte mais baixa ou ao redor do caldeirão natural, que servem como barreira para acumular mais água. É uma tecnologia de uso comunitário. Em geralcada tanque beneficia 10 famílias.

    ➢ Barreiros Trincheira: São tanques longos, estreitos e fundos escavados no solo. Partindo do conhecimento que as famílias têm da região, o barreiro trincheira é construído em um terreno plano e próximo ao terreno da área de produção. Com capacidade para armazenar, no mínimo, 500 mil litros de água, o barreiro trincheira tem a vantagem de ser estreito, o que diminui a ação de ventos e do sol sobre a água. Isso faz com que a evaporação seja menor e a água permaneça armazenada por mais tempo durante o período de estiagem.

    ➢ Cisterna Telhadão Multiuso: Constituída de um sistema de captação e reserva de água de chuva, de 25 mil litros, representado pelo telhado e coletada pela calha do galpão e canalizada para um reservatório cilíndrico, enterrado no solo e coberto.

  • Como participar?

    É preciso estar cadastrado no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, residir na área rural e não possuir abastecimento ou ter acesso precário à água de qualidade.

    Para mais informações, procure o Conselho de Segurança Alimentar ou o Conselho de Assistência Social, nas Secretarias de Assistência Social, no Sindicato dos Trabalhadores Rurais ou nas Associações Comunitárias de sua localidade para mais informações.

  • Legislação

    ➢ Lei nº 12.873, de 24 de outubro de 2013Trata, nos artigos 11 a 16, da instituição do Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e Outras Tecnologias Sociais de Acesso à Água – Programa Cisternas

    ➢ Decreto nº 9.606, de 10 de dezembro de 2018Regulamenta o Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e Outras Tecnologias Sociais de Acesso à Água – Programa Cisternas

    Consulte as leis e tecnologias sociais no portal do Ministério da Cidadania.

    (Parte do conteúdo é reprodução do site do Ministério da Cidadania)

Veja também

13 de abril de 2015

Mega evento entrega tecnologias sociais e kits produtivos em Montalvânia

Bonito de Minas, 13 de abril de 2015 No último sábado (11), foi entregue uma série de tecnologias sociais para captação da água de chuva em propriedades rurais […]

Leia mais
11 de abril de 2015

Mais de 1300 novas tecnologias para captação de água da chuva são inauguradas pelo CimVales

Bonito de Minas, 8 de Abril de 2015 O Consórcio Intermunicipal Norte Mineiro de Desenvolvimento Regional dos Vales do Carinhanha, Cochá, Peruaçu, Japoré e São Francisco (CimVales) inaugurou […]

Leia mais
31 de maio de 2017

Equipe do CimVales realiza intercâmbio técnico no Município de Juvenília-MG

Em um intercâmbio entre os Munícipios consorciados, a equipe técnica do CIMVALES esteve na última quinta-feira (25) em Juvenília, para avaliar o funcionamento das tecnologias sociais executadas na […]

Leia mais